29.7.19

VENHA DAÍ A VOLTA

ETAPAS


 EQUIPAS

FAVORITOS
Alarcon, Mestre, Pinto, Carvalho, Feillu, Gonçalves, Sevilla, Duarte, Chalapud, Machado, Marque, Nocentini, Brandão, Mateos, Benta

PALMARÉS

UM NOME PARA UMA ERA

Egan Bernal venceu  o "Tour" com 22 anos de idade. E toda a gente acredita que este venha a ser, apenas, o primeiro de muitos.
O jovem colombiano tem tudo o que precisa um grande campeão: talento, força, vontade e humildade, para além, claro, de uma grande equipa.
A história poderia ter sido diferente se a Ineos tivesse optado por outra estratégia, como, por exemplo, atacar apenas na subida final da antepenúltima etapa. As condições eram, de facto, inapropriadas, pelo que a decisão tomada então pela ASO é inatacável. Mas se imaginarmos outro cenário de corrida no momento em que Christian Preud'Homme a mandou parar, podemos perceber o quanto esta edição poderia ter sido descaracterizada pela meteorologia. 
Felizmente, com o ataque e fuga antecipada de Bernal, a sensação que fica é que foi respeitada a justiça da estrada, tendo ganho aquele que foi efectivamente o mais forte. 
Só foi pena que uma etapa que teria sido épica, e poderia ficar na história do Tour como a primeira de um novo tempo - o tempo de Bernal - acabasse neutralizada.
De resto, não ceio que esta edição tenha sido aquilo que se diz. Foi melhor que a anterior, mas faltou uma segunda semana mais agitada, e uma outra concretização das etapas alpinas. 
Enfim, do mal o menos.
Além de Bernal, destaques para Alaphilippe, que fez sonhar um país, para Caleb Ewan, que ganhou três etapas, e para Simon Yates que ganhou duas. Peter Sagan fez aquilo que lhe é habitual, e chegou a Paris de verde, enquanto Kruijswijk com um terceiro lugar, e Buchmann com um quarto, foram duas boas surpresas (mais o segundo do que o primeiro).
Desilusões: Quintana, que com uma etapa ganha não deixa de dar a sensação de se ter despedido da hipótese de vencer um Tour (para além de já não poder ser o primeiro colombiano a fazê-lo), e também Bardet e Enric Mas, de quem se esperava mais. 
Os azarados: Richie Porte, como é hábito, e Thibaut Pinot, como também já vai sendo habitual, sendo que desta vez parecia mesmo encaminhar-se para, finalmente, discutir a vitória final.

22.7.19

SERÁ DESTA, FRANÇA?

Não acontecendo nada de inesperado, na próxima quinta-feira, a três dias do final da prova, Alaphilippe ainda andará vestido de amarelo. E pelo que se viu nas últimas etapas, Thibaut Pinot parece ser, de momento, o ciclista mais forte do pelotão.
Será desta que um francês volta a vencer em Paris? Thomas, Kruijswijk e Bernal vão tentar evitá-lo. Mas talvez nunca, neste século, a França tenha estado tão perto de ter um filho seu no lugar mais alto do pódio da Grand Boucle.
As etapas de quinta, sexta e sábado prometem. A não perder!

2.7.19

EIS O TOUR 2019


ETAPAS

EQUIPAS

NOMES A TER EM CONTA
Thomas, Quintana, Nibali, Aru, S.Yates, A.Yates, Bernal, Valverde, Landa, Bardet, Pinot, Porte, Kreuziger, Uran, Mollema, Fuglsang, Kruijswijk, Kelderman, Mas, Zakarin

 TOP DEZ últimos anos

2018

PONTO DE SITUAÇÃO


24.6.19

MÁS NOTÍCIAS

A gravíssima lesão de Chris Froome, e a correspondente ausência na partida do Tour, é uma péssima notícia para os amantes da modalidade. O britânico tentava a sua quinta vitória, e o igualar dos recordes de Anquetil, Hinault, Merckx e Indurain. Mas vai ter de esperar.
Também Tom Dumoulin viu o azar bater-lhe à porta, e não vai à prova francesa. Veremos se Geraint Thomas, o campeão em título, recupera a tempo.
Para já, parecem ser ausências a mais para não se fazerem sentir. Veremos...

3.6.19

O HOMEM QUE NINGUÉM ESPERAVA

Numa temporada velocipédica marcada por inúmeras surpresas, o Giro trouxe, também ele, um vencedor que ninguém esperava.
Desde logo os restantes contendores, nomeadamente Nibali e Roglic, que andaram todo o tempo a marcar-se um ao outro, e, vá lá, com um olho em Landa, mas sem nunca parecer considerar o equatoriano como possível vencedor final.
É verdade que Dumoulin ficou de fora muito cedo, e que Simon Yates se mostrou longe da forma exibida em 2018. Mas nem isso tira uma ponta de mérito a Richard Carapaz, que além de um percurso totalmente isento de erros, contou também - e isso foi uma outra surpresa - com uma Movistar tacticamente perfeita.
Ficam os vencedores das etapas e o top-dez:

TOP-DEZ FINAL:

 CARAPAZ Richard
 NIBALI Vincenzo 01:05
 ROGLIČ Primož 02:30
 LANDA Mikel 02:38
 MOLLEMA Bauke 05:43
 MAJKA Rafał 06:56
 LÓPEZ Miguel Ángel 07:26
 YATES Simon 07:49
 SIVAKOV Pavel 08:56
 ZAKARIN Ilnur 12:14

7.5.19

GIRO 2019


 ETAPAS

EQUIPAS

FAVORITOS
Landa, Lopez, Roglic, Nibali, Yates, Dumoulin

OUTSIDERS
Sivakov, Zakarin, Mollema, Chaves, Jungels, Izaguirre, Pozzovivo, Caruso, Amador, Carapaz, Ulissi, Ciccone, Majka, Bilbao

29.4.19

ENFIM FUGLSANG

Aos 34 anos, o dinamarquês Jakob Fuglsang, depois de várias tentativas, alcançou finalmente um grande triunfo na carreira. Com uma abordagem táctica perfeita, o corredor da Astana ergueu os braços em Liége, conquistando o último dos "monumentos" primaveris.
Foi uma vitória merecida, que consolida um excelente início de temporada, e promete um Tour em conformidade.

15.4.19

GILBERT REI NO PAVÉ

Não há dúvida que Philippe Gilbert é homem para os grandes momentos. Mas foi preciso chegar aos 36 anos para juntar a Paris-Roubaix ao seu brilhante palmarés - que inclui Campeonato do Mundo e outros três Monumentos, entre variadas e importantes vitórias.
Chegou à meta acompanhado de Pollit. Mas com naturalidade desenvençilhou-se do jovem alemão, alcançando o triunfo.
Apenas falta San Remo, para Gilbert fazer o "grand slam" das principais Clássicas do ciclismo internacional.
Outro belga, Yves Lampaert, completou o pódio.
E agora venham as Ardenas.

9.4.19

SURPRESA

Não parece, mas a foto é mesmo do pódio do Tour de Flandres.
Alberto Bettiol surpreendeu tudo e todos, vencendo a corrida. Foi tão só a primeira vitória da sua carreira, o que diz tudo. E em segundo lugar ficou um praticamente desconhecido Kasper Asgreen. Só Kristoff, em terceiro, era um dos nomes esperados.
Mais uma vez assistiu-se a um festival de calculismo por parte das principais figuras, que mais uma vez lhes saiu caro. Van Avermat ficou em décimo, Peter Sagan em décimo primeiro. Talvez satisfeitos por chegarem perto um do outro, pois foi apenas isso que tentaram ao longo da corrida.
Segue-se Roubaix, onde se espera um maior empenho das grandes figuras do pelotão.

25.3.19

ALENTEJANA

A Volta ao Alentejo costuma ser a prova ideal para o aparecimento de jovens valores.
Esta edição não fugiu à regra, e o contra-relogista do FC Porto, João Rodrigues (na foto a cortar a meta na mítica Praça do Giraldo), levou a melhor numa edição sem bonificações, e na qual o contra-relógio de Castelo de Vide foi preponderante.

ALAPHILIPPE AFIRMA-SE EM SAN REMO

Quando todos esperavam por Sagan em San Remo, eis que Alaphilippe apareceu. 
Triunfou num grupo reduzido de ciclistas, sendo o mais rápido a cortar a meta, e alcançando assim o primeiro monumento da sua carreira.
O francês já havia vencido a Strada Biancha, pelo que parece caminhar para um 2019 de grande sucesso.
Sagan...ficou em quarto.

1.3.19

NASCEU UMA ESTRELA?

Com apenas 20 anos, Tadej Pogacar, vindo da Eslovénia, e último vencedor da Volta a França do Futuro, deu espectáculo no Algarve.
Estaremos perante uma futura estrela? Tudo parece indicar que sim.

28.12.18

4ª EDIÇÃO - PRÉMIOS VEDETA DO ANO

CICLISTA DO ANO - VALVERDE

MAIS REGULAR DO ANO - SAGAN

REVELAÇÃO DO ANO - BERNAL

COMBATIVO DO ANO - S.YATES

CORREDOR DE CLÁSSICAS DO ANO - ALAPHILIPPE

SPRINTER DO ANO - VIVIANI

CONTRA-RELOGISTA DO ANO - DENNIS

EQUIPA DO ANO - QUICK STEP FLOORS

PORTUGUÊS DO ANO - D.GONÇALVES

MENÇÃO HONROSA - NIBALI / THOMAS









15.10.18

2018 TODOS OS VENCEDORES

...falta apenas o Tour de Hainan.

ACABAR EM BELEZA

Nada como um excelente Giro di Lombardia para terminar a temporada em beleza. Thibaut Pinot confirmou o bom momento de forma que atravessa, escapando com Nibali, primeiro, e vendo-se livre dele, depois, conseguindo até ganhar-lhe tempo na descida - outrora o seu ponto mais débil.
O Tubarão de Messina conseguiu ainda assim manter o segundo lugar, tendo Dylan Theuns completado o pódio.
Pinot conclui assim uma das melhores semanas da sua carreira, durante a qual já havia vencido o Milano-Torino, e feito segundo lugar no Tre Valli Varesino.

8.10.18

O TÍTULO MAIS MERECIDO DE SEMPRE

Depois de vários segundos e terceiros lugares, Alejandro Valverde conseguiu, enfim, aquele que há muito era o seu maior objectivo de carreira: sagrar-se campeão do mundo.
Com um percurso a seu jeito, o espanhol deu uma demonstração de sabedoria táctica, arquitectando a sua vitória com todos os requintes de um verdadeiro campeão. E bem merecia.
Nas restantes posições de pódio ficaram Romain Bardet e o surpreendente Michael Woods. Tom Dumoulin, depois do fracasso relativo com a prata do contra-relógio (onde aspirava ao ouro e ficou atrás de Rohan Dennis), ficou uma vez mais à beira dos seus objectivos, quedando-se pelo quarto lugar.
Destaque para Rui Costa, que alcançou um brioso top-10.

24.9.18

OS MUNDIAIS MAIS DUROS DE SEMPRE

 PERCURSO

PALMARÉS ELITES
RECORDAR 2017